Herbart e o Inconsciente

Por Ale Esclapes¹

Johann Friedrich Herbart (1776 - 1841) - é mais conhecido no meio da pedagogia do que da psicanálise, mas ele tem uma ligação direta conosco. Ele foi aluno de Fichte e se fez a seguinte pergunta: onde estão os pensamentos que não estão na nossa mente nesse momento? A mesma pergunta que Freud se faz na primeira parte de “O ego e o Id”. Mas as influências são bem mais profundas.

Vejamos: 

Herbart propõe uma visão de que a mente é composta por representações ou ideias (vorstellung) e que as mesmas possuem uma energia. Esse detalhe é muito importante, pois é essa visão das representações que permitem à psicanálise aquilo que costuma se chamar de ponto de vista econômico. Voltando à Herbart. Seguindo um modelo magnético, e idéias semelhantes se atraem e as antagônicas se repelem, criam uma resistência entre si e podem uma ideia mais forte pode repelir a mais fraca para fora da consciência. Esse lugar Herbart chamou de “Estado de tendência”.

Um outro conceito muito interessante é quando duas representações se unem para formar uma terceira. Vejamos o exemplo abaixo:

O verde, o roxo e o laranja são combinações de duas representações que ao se associarem, formam uma terceira. Na mente, portanto, representações que se associam, formam novas representações, que não precisam ter um suporte na realidade para existirem. A mente é capaz de criar representações que não existem na realidade. Outro ponto importante é que ideias fracas que não se associam acabam sendo esquecidas.

Essas noções sobre representações estarão no centro do vocabulário psicanalítico, mas antes elas vão sofrer influência de outros autores, como Pierre Janet na França e três professores de Freud: Meynert, Brucke e Exner. Vamos tratar desses autores nos próximos dois vídeos.


 

¹Psicanalista, professor, escritor e diretor da Escola Paulista de Psicanálise-EPP e do Instituto Melanie Klein-IMK. Autor do Livro "A pobreza do Analista e outros trabalhos 1997-2015" e organizador da Coleção Transformações & Invariâncias.

Deixe seus comentários

Comentários

  • Nenhum comentário foi encontrado