História da Histeria (realiz. em 21/02)

Neste primeiro seminário de web, discutimos alguns pontos da história da psicanálise, que se misturam com a história da histeria. Foi através das histéricas, herdeiras de Salpêtière que nasceu o método psicanalítico, a teoria da interpretação dos sonhos, da sexualidade infantil entre outros.

O caso Elisabeth von R.

Por Ale Esclapes¹

No artigo anterior eu discuti o modelo catártico, a questão da sugestão e inferências (caso Emmy von N.). Nesse caso quero me aprofundar na questão da inferência. Mas antes, vamos falar um pouco sobre o caso clínico em si, que é considerado o mais próximo da psicanálise dos apresentados em Estudos sobre Histeria. 

Alguns aspectos...

Tema: Alguns aspectos clínicos do atendimento psicanalítico do público GLBT

Palestrante:  Alê Esclapes - Psicanalista, professor, escritor e diretor da Escola Paulista de Psicanálise-EPP e do Instituto Melanie Klein-IMK. Autor do Livro "A pobreza do Analista e outros trabalhos 1997-2015" e organizador da Coleção Transformações & Invariâncias. 

Entre Cronos e Prometeu

Tema: Entre Cronos e Prometeu - Não roubarás!

Ementa: Etiqueta significa pequena ética, o que implica que não existe uma grande ética sem as pequenas ações. No Brasil de hoje talvez nenhum mandamento seja tão maltratado quanto esse, mas onde mesmo começa a noção do que me pertence e do que não me pertence? Será que roubamos somente bens materiais, ou roubamos tempo, atenção. Seria possível roubar um afeto? Nesse encontro discutiremos esses e outros aspectos do que podemos falar em roubo, ética e etiqueta. 

Curso Breve: A origem da psicanálise na histeria 12/04/2019 16:00hs.

Em nosso primeiro Curso Breve deste ano, discutiremos alguns pontos da história da psicanálise, que se misturam com a história da histeria. Foi através das histéricas, herdeiras de Salpêtière que nasceu o método psicanalítico, a teoria da interpretação dos sonhos, da sexualidade infantil entre outros. Nesse encontro tentaremos estabelecer quais foram as teorias herdadas por S. Freud afim demonstrar melhor suas contribuições para a psicanálise.

O caso Emmy von N.

Por Ale Esclapes¹

A análise deste caso vai ser pouco mais extensa pois ele tem muitas complexidades. Mas primeiro vamos falar um pouco sobre o caso. Essa é mais uma das pacientes que apresentam no mínimo um quadro misto que, na minha opinião estaria mais próximo da paranoia que da histeria.

Início dos Trabalhos com Crianças

Por Ale Esclapes¹

Esse é o primeiro de uma série onde passeio pela obra de M. Klein e teço um panorama geral de sua obra. Nesse vídeo analiso os primeiros desafios de Klein como analista de crianças.

A tragédia de Édipo Rei na psicanálise (realiz. em 12/07)

Neste segundo encontro abordamos "a tragédia de édipo na psicanálise" onde foi discutido como Freud buscou na tragédia de Sófocles o estabelecimento das bases do seu famoso Complexo, que juntamente com a Castração formam o núcleo do reprimido. 

Não adulterarás...

Tema: Não adulterarás: verdades e mentiras que contamos a nós mesmos

Ementa: Adultério vem do latim adulterĭum,ĭi  que significa adultério, crime de adultério, alteração, falsificação, mistura. Muitas pessoas associam a questão do adultério apenas a traição que ocorre entre duas pessoas enamoradas. Mas adulteração, alteração, falsificação e mistura também são seus significados. Nesse sentido adulteramos a realidade conforme nossos desejos, mentimos para nós mesmos. Em um nível social a corrupção tão em voga no noticiário também nasce do pecado do adultério.

Webnário: Lamento e melancolia 17/04/2019 - 20:00hs.

A melancolia descrita por Freud não é a mesma descrita desde de Hipócrates, e sim um caso particular das já estudas desde Hipócrates. Em que momento um tipo de humor se transformou em uma doença? Pode-se afirmar que a Melancolia é o mesmo que depressão? As pessoas ditas “melancólicas” são mais inteligentes? Nesse webnário pretende-se fazer um percurso do tema de Hipócrates a Freud e depois traçar linhas de desenvolvimentos dentro da psicanálise em Klein e Bion. 

O caso Anna O.

Por Ale Esclapes¹

O caso "Anna O" ao contrário do que muitos pensam é um caso clínico de Breuer e não de Freud. Ela foi atendida entre 1881 e 1882, cerca de 14 anos antes da publicação de "Estudos sobre Histeria". Alguns sintomas chamam a atenção nesse caso clínico - delírios, fantasias de perseguição, reviver dramas exatamente um ano depois, nos mesmo dias em que ocorreram (jamais narrado em nenhum outro caso clínico em psicanálise), etc.